É bíblica a doutrina da adoração a Maria?

Ainda hoje, milhares de católicos participam de procissões e festejos em honra a “Nossa Senhora”. Em toda parte do Brasil o povo canta, reza, chora, faz romarias, se emociona em devoção a Maria. Talvez você, assim como eu, já tenha vivenciado isso. Lembro-me que carregava o meu terço no braço e sempre que tinha tempo estava lá fazendo a minha devoção a Maria, afinal foi esse ensino que aprendi quando era católico. Mas será que esses ensinamentos estão certos? Por que a igreja católica incentiva esse crença? Será que é bíblica?

 
Um dos primeiros argumentos utilizados pelos amigos católicos para justificar essa crença está no fato de Maria ter sido contemplada para ser a mãe de Jesus, conforme Lucas 1.26-35. “O anjo entrou onde ela estava, e disse: “Alegre-se, cheia de graça! O Senhor está com você!” (Lucas 1.28). Em outras versões, a expressão “cheia de graça” quer dizer: Alegre-se abençoada ou favorecida. Maria recebeu a graça de Deus para conceber seu filho, mas em nenhum momento esse trecho afirma que ela seria a fonte de graça e de devoção ou adoração para os outros. Qualquer mulher da época poderia ter sido a escolhida, mas aprouve a Deus escolher a humilde Maria.

 
Então existe algum outro texto que aponte Maria digna da nossa devoção? “Com um grande grito exclamou: “Você é bendita entre as mulheres, e é bendito o fruto do seu ventre!”(Lucas 1.42). A igreja católica afirma que essa saudação feita por Isabel indica a santidade e, portanto, a obrigação em venerarmos Maria. No entanto, veja na sequência a declaração de louvor feita por Maria: “Então Maria disse: Minha alma proclama a grandeza do Senhor, meu espírito se alegra em Deus, meu salvador”(Lucas 1.46-47). Maria reconhece aqui a sua condição de mulher pecadora, apesar de ter sido escolhida para ser a mãe de Jesus, e declara que a salvação dela vem somente de Deus, está apenas em Deus. Maria rende a sua adoração a Deus, a ninguém mais.

 
Um terceira justificativa dada por alguns amigos católicos, indicando que Maria deve ser adorada está em João 19.27, quando Jesus está prestes a ser morto e declara “Eis aí a tua mãe”. Segundo ensinamentos da igreja católica, esse é o momento em que Maria passa a ser a mãe da humanidade. Porém, vemos que Jesus apenas expressa o seu cuidado para com a sua mãe, assim como eu e você devemos prestar cuidados aos nossos pais e familiares. Por confiar em João, discípulo a quem ele tanto amava, Jesus pediu para que a levasse para casa e cuidasse dela. Esse é o contexto. Em nenhum momento a Bíblia mostra que Maria estava recebendo o título de mãe da humanidade.

 
A Bíblia não apresenta Maria como aquela que deve ser adorada ou venerada. A doutrina da adoração a Maria trata-se de mais uma tradição da igreja católica. Começou lá no Concílio de Éfeso, por volta de 431 depois de cristo (DC), passou pelo século XI com a criação da oração da Ave Maria, popularizando ainda mais a crença e veneração a Maria. Infelizmente, permanece até hoje por muitos católicos.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *